quinta-feira, 21 de março de 2013

O TRIUNFO DOS PORCOS


Autor: George Orwell

Título original: Animal Farm


Há livros que são tão bons que todos deveriam ler, e mesmo aqueles que não apreciam a leitura, deveriam ler e pensar no que certas palavras nos podem ensinar. Existem alguns livros neste restrito grupo... O Principezinho será um deles, mas existem outros, e O Triunfo dos Porcos, na minha opinião, faz parte desse grupo de livros obrigatórios.

Pequena e de leitura rápida, esta magnífica obra de Orwell conta a história de um grupo de animais que se revolta contra os seus donos, e após controlarem a quinta, criam a sua própria sociedade, com leis e tradições próprias. E numa história tão "banal" e que mais parece um conto infantil, como pode este livro ser tão bom? Porque nos mostra aquilo que muitos não querem ver.

O Triunfo dos Porcos é uma poderosa crítica a uma sociedade específica, mas que quando analisada, todos nós conhecemos. Lemos e rapidamente comparamos esta sociedade com a civilização Romana, com a França de Napoleão, com o erguer da Alemanha Nazi, com o atual regime na Coreia do Norte, com o Capitalismo enquanto motor de uma sociedade global e consumista e, principalmente, deve ser comprada com o caminho feito por Stalin no seu regime soviético, e em todos estes casos, arranjamos situações em que realidade e ficção se tocam de forma assustadora.

George Orwell, mostra-nos o perigo das revoltas populares, dos resultados que nos levam de um extremo ao outro, de passar da opressão para uma suposta liberdade onde tudo é permitido e vice-versa, mas também nos mostra o perigo da apatia das massas manipuladas. Esta quinta mostra-nos como somos enganados, como acreditamos e consequentemente, como toleramos individualmente o que uma sociedade aceita como um todo até nos esquecermos das nossas próprias dúvidas, porque mais ninguém as tem. Pelo meio, vemos a sede de poder, os limites que são passados e apagados, e o momento em que já não é possível voltar atrás, pois as mentiras há muito que tiveram de se tornar verdades. E no fim, muitos se tornam naquilo que juraram destruir.

E porque aconselho este livro a todos os leitores? A minha resposta é simples: porque ao conseguir comparar esta obra com tantas civilizações da História, percebo que tal facto não acontece porque Orwell as quis juntar todas num livro, mas sim porque a história repete-se, porque nós ainda não aprendemos, e nunca iremos aprender... porque há necessidades que a nossa própria natureza não nos deixa apagar, mas podemos sempre estar atentos.

Com 1984 (um dos meus livros favoritos e que ainda não comentei neste blog), George Orwell mostrou uma genialidade que poucos alcançaram. O Triunfo dos Porcos é mais soft, mais fácil de ser analisado e que serve para qualquer idade, desde que a mensagem seja assimilada. É um livro que ensina, que faz pensar, e que deve ser questionado enquanto o lemos, observando cada linha desta obra, pois todas têm significados. Falar mais desta obra seria revelar mais sobre a história, por isso limito-me a recomendar esta leitura até à última linha, aquela linha que nos retira o ar dos pulmões.

Um livro sobre a manipulação da informação, do controlo dos mídia, e o poder que é controlar uma ideia implementada numa sociedade, alterando crenças, destruindo o poder do povo numa suposta democracia.

Luís Pinto

11 comentários:

  1. Parabéns por este texto. Está mesmo muito bom. Também para mim é um livro obrigatório. Parabéns uma vez mais pela excelente crítica que consegue dissecar muito bem este livro.

    ResponderEliminar
  2. Também te dou os parabéns. Adorei o teu texto. Nunca li o livro e fiquei cheia de curiosidade. Já ouvi falar muito bem.

    ResponderEliminar
  3. Gonçalo Vazmarço 21, 2013

    Parabéns. Um excelente texto da tua parte e que se foca no essencial sem falar da história directamente apesar de todos sabermos como será.

    ResponderEliminar
  4. Realmente, um grande texto da tua parte a um dos melhores livros que já li. Dou-te os meus parabéns mas não me surpreende esta tua fantástica qualidade em analisar um livro que parece tão simples.

    Abraço e boas leituras.

    ResponderEliminar
  5. Fiquei muito impressionada com este teu texto. Voltaste a lançar uma pérola. Nunca li este livro e não és a primeira pessoa que me recomenda.

    Mais um livro para a feira. Fiquei cheia de votande de ler

    ResponderEliminar
  6. Parabéns pelo excelente texto. Eu adoro este livro e recomendo-o. A tua análise está perfeita da foram que a exploraste. Parabéns.

    ResponderEliminar
  7. Também gostei muito da crítica e gostaria de acrescentar algo. Mais do que permitir que encontremos semelhanças com a realidade, este livro permite-nos um olhar cru e incisivo sobre a condição humana. A sede de poder, a necessidade de respeito, a despreocupação pelo que é alheio... Tudo características que podem ser encontradas numa perspectiva macro (como grandes marcos históricos, como referiste), mas também numa perspectiva micro. É um livro fenomenal!

    ResponderEliminar
  8. Obrigado a todos pelos comentários. Ainda bem que tanta gente já leu e também gostou. Para mim foi um livro marcante.

    djamb, concordo!Também é um livro que, ao ser olhado numa perspectiva micro, é marcante. Um autor genial.

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. É só um dos meus livros preferidos. Eternamente

    Especialmente porque encontramos aqui a temática utopia vs distopia - um dos meus temas favoritos. A sociedade com prospectivas de ser melhorada, perfeita até, que depressa cai quando o poder alcançado leva à ganância.
    O cavalo, que representa a classe ignorante do proletariado que é explorada até à exaustão, à decadência do indivíduo, é uma das cenas das quais me relembro sempre vivamente, e, a qual, me causa um arrepio..

    "All animals are equal
    but some animals are more equal than others"

    ResponderEliminar