domingo, 25 de maio de 2014

A CASA NEGRA


Autor: Peter May

Título original: The Blackhouse


Sinopse: A Ilha de Lewis é o local mais desolador e austeramente belo de toda a Escócia. A rigidez da rotina diária apenas é mitigada pelo temor a Deus. Quando um assassinato sangrento cometido na ilha revela marcas semelhantes a um caso de Edimburgo, o detetive da polícia Fin Macleod é enviado para norte, para o investigar. Todos os anos, doze homens da ilha, alguns dos quais amigos de infância de Fin, partem para um remoto e traiçoeiro rochedo chamado An Sgeir, numa perigosa epopeia para caçarem as crias de uma ave marinha local. Este é, acima de tudo, um ritual de passagem que é ferozmente defendido contra todos os pressupostos da moralidade moderna. Mas, para Fin, a caça encerra memórias dolorosas, que podem, mesmo tanto tempo depois, exigir um enorme sacrifício.



Vencedor de vários prémios e aclamado pela crítica internacional, era difícil não ficar curioso com este livro. O resultado é este: que grande livro, que grande leitura... ao ponto de questionar se conseguirei ler outro policial tão bom até ao fim do ano.

Peter May não tem problemas em chocar-nos com as suas descrições, quer sejam elas sobre um local, uma ação ou uma personalidade, e é essa característica que se nota desde o primeiro momento, de que este livro nos vai chocar. O enredo começa rápido, bem desenvolvido e aos poucos começamos a perceber alguns aspetos das personagens que vão aparecendo, principalmente por o autor consegue criar uma sintonia perfeita entre presente e passado, explorando as personagens a um nível que demonstra a qualidade deste livro.

Este foi, provavelmente, o fator que mais gostei no livro: a capacidade do autor em explorar psicologicamente as suas personagens, criando-as com uma complexidade que me surpreendeu e que encaixa perfeitamente no enredo. O resultado final é uma coesão muito bem conseguida onde as ações das personagens encaixam no que aos poucos vamos conhecendo no interior das suas mentes. Sendo o 1º livro de uma trilogia, Peter May foi fantástico ao construir personagens que sentimos que já conhecemos, e a base para a trilogia está feita, dando espaço ao enredo para "respirar".

No enredo existem várias surpresas e para cada leitor existirá um momento em que não conseguirão parar de ler. A forma como este livro me "agarrou" é o que se pede numa leitura. A necessidade de sabermos o que está para vir e a sensação de que a cada página algo surpreendente pode acontecer. É esta sensação que torna o livro realista e nos obriga a continuar a ler durante toda a noite. O ambiente, conseguido com uma escrita dura e crua, torna-se na grande imagem do livro, pois as descrições do autor conseguem transmitir imagens para a nossa mente com grande facilidade, principalmente porque rapidamente entramos na história.

Este é um livro sobre o quando a mente humana se pode perder e cometer atos que preferimos acreditar serem impossíveis para um ser humano concretizar. É aquela linha, que separa o "são" do que não conseguimos imaginar uma pessoa fazer a outra, que nós atravessamos com este livro, e ficamos naquele local onde estão as barbaridades que o ser humano é capaz de fazer a qualquer outro ser vivo. É o local onde já não existem limites ou barreiras, onde ganância, vingança ou demência cegam o criminoso que fará algo que nos choca e marca para sempre. Este é um livro sobre o pior que existe em cada um de nós, e o que é necessário para atravessarmos a linha sem retorno.

Desejoso de ler os próximos livros da trilogia, este é um livro a não perder, e será, certamente, um dos melhores policiais do ano. Fantástico!

Luís Pinto


5 comentários:

  1. Olá Luis :)

    Já tinha ouvido falar deste livro quando foi publicado e também já o vi nas livrarias, mas nunca tinha lido uma opinião sobre ele. :)
    Nunca li um policial, no entanto, tenciono experimentar :) Pelo que dizes, parece muito bom o livro :), acho que vou acrescentar à minha lista :).
    Boas leituras

    Rosana
    http://bloguinhasparadise.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Fiquei mesmo convencido!

    ResponderEliminar
  3. Policiais são o meu estilo favorito. Este não li nem conheço o autor mas depois de ler esta opinião estou convencido. Fui também procurar no Goodreads e reparei que a pontuação é mesmo muito boa. De certeza um grande livro.

    Abraços

    ResponderEliminar
  4. Lúcia Parreiramaio 25, 2014

    totalmente convencida a ler mesmo sendo tão violento como dizes. Espero adorar!

    ResponderEliminar
  5. Já o tinha debaixo de olho e agora vai ter mesmo de ser. Vou ataca-lo na feira do livro!

    ResponderEliminar