quarta-feira, 21 de maio de 2014

NYPD Red - À margem da Lei


Autor: James Patterson 

Título original: NYPD Red 2


Sinopse: A NYPD Red enfrenta agora o seu inimigo mais perigoso de sempre.
Há um serial killer à solta em Nova Iorque, perseguindo e assassinando criminosos que conseguiram escapar à Justiça. À medida que o número de vítimas deste justiceiro por conta própria aumenta, cada vez mais nova-iorquinos o apoiam.
O detetive Zach Jordan e a sua parceira Kylie MacDonald são destacados para o caso quando mais uma pessoa, uma mulher ligada à campanha eleitoral de um dos candidatos à Câmara de Nova Iorque, é assassinada. Zach e Kylie têm de descobrir quais são as verdadeiras motivações deste assassino, uma vez que por detrás deste último crime se escondem segredos da ordem da vida pública e privada. No entanto, Kylie tem agido de forma estranha, e Zach teme que o que quer que se esteja a passar com a sua parceira possa pôr em risco o maior caso das suas carreiras.




Este é o 2º livro da saga "NYPD Red" de James Patterson, o autor que consegue ter um êxito mundial a cada livro que lança. Após um primeiro livro interessante, mas que não conseguia estar ao nível de outras obras do autor, este 2º livro é superior ao seu anterior em todos os aspetos.

Patterson sabe há muito tempo que a sua fórmula funciona: capítulos curtos, poucas descrições, saltos entre personagem principal e vilão, ritmo sempre crescente. Tudo isto está presente na grande maioria dos policiais de Patterson, e aqui volta a acontecer. O resultado é, novamente, um livro viciante e de leitura compulsiva. Em relação aos outros livros está sempre a diferença da base do enredo, e aqui a ideia é bastante interessante.

Estamos perante um vilão que mata outros criminosos, e sem baixar o ritmo, o autor tenta explorar este conceito de um ponto de vista mais global, dando ao povo a hipótese de defender este assassino, mas também de dar ao próprio vilão a oportunidade de mostrar os seus motivos e ganhar a simpatia dos leitores. E é este vilão o grande trunfo do livro, pois existe uma boa exploração do conceito que é matar apenas criminosos, levantando as questões de justiça social e até que ponto a justiça deverá enfrentar este homem, mas, principalmente, da forma como o povo vê um homem que faz algo que muitos consideram justiça, principalmente aqueles que de alguma forma estão ligados a actos que as vítimas cometeram.

Pelo meio deste ritmo sempre elevado, o autor oferece algumas pistas e desta vez é mais fácil perceber o final do livro e a identidade deste "justiceiro", mas o que realmente surpreende é o motivo, o seu passado e o que deu resultado a esta mente que acredita no que faz. E é esta construção que dá coesão ao enredo.

Nos restantes fatores do livro, Patterson não foge ao que sempre fez e, por exemplo, volta a existir um aprofundar de algumas personagens, principalmente com a inclusão de histórias secundários no enredo que ajudam a conhecermos melhor as atitudes, motivos e passado das personagens principais da saga. Mas tudo isto sem nunca baixar o ritmo. Patterson sabe que é o ritmo que torna a sua escrita viciante, e o resultado é mais um livro que se lê "de seguida".

Devido às questões morais que levanta, este foi um dos livros que mais gostei deste autor. Quando a fórmula se mantém, a diferença está em tudo o que envolve o vilão, e eu gostei bastante da construção que este enredo faz. Não é um dos mais surpreendentes nem dos mais marcantes já escritos por Patterson, mas é dos que tem mais qualidade.

Luís Pinto

2 comentários:

  1. Boa análise! Para ter em conta nos próximos tempos.

    ResponderEliminar
  2. Sempre gostei deste autor como um bom livro de fim de semana. Este vai ser mais uma aposta porque falas aqui de um vilão que me parece muito bom!

    Abraço

    ResponderEliminar